domingo, 30 de junho de 2013

Caio Fabio acusado no ar, ao vivo. E confessa: "Aceito esta culpa".


Caio Fabio acusado no ar, ao vivo. E confessa: "Aceito esta culpa".




Cristãos são mais felizes que ateus no Twitter, afirma estudo


Cristãos são mais felizes que ateus no Twitter, afirma estudo

Um estudo realizado pela Universidade de Illinois em Urbana-Champaign mostrou que os cristãos são mais felizes que os ateus nas redes sociais. A pesquisa utilizou o Twitter como uma ferramenta de pesquisa para uma comparação entre mensagens postadas por cristãos e ateus.

O estudo foi realizado por dois estudantes de doutorado em psicologia social e um conselheiro que analisaram a linguagem casual de quase 2 milhões de tweets a partir de mais de 16.000 usuários ativos. Os resultados da pesquisa foram publicados na “Psicologia Social e da Personalidade Ciência”.

A equipe identificou os assuntos publicados pelos usuários do Twitter que seguiram cinco figuras públicas proeminentes. No caso dos cristãos, os selecionados foram seguidores do Papa Bento XVI, Joel Osteen, Rick Warren, do comentarista político conservador Dinesh D’Souza e de Joyce Meyer, autora evangélica e palestrante.

No caso dos ateus, foram selecionados seguidores de Richard Dawkins, Sam Harris, Christopher Hitchens, Monica Salcedo e Michael Shermer – os dois últimos, respectivamente, um auto descrito como “ferozmente franco e ateu” e um escritor de ciência que fundou um grupo chamado “Sociedade dos Céticos”.

Com a ajuda de um programa de análise de texto, os pesquisadores descobriram que o as publicações feitas por cristãos contém, com maior frequência, palavras que refletem emoções positivas, relacionamentos sociais e um estilo intuitivo de pensar.

- Os cristãos são mais propensos a usar palavras como “amor”, “feliz”, “equipe”, “família” e “amigo”, enquanto ateus fazem mais uso de palavras como “ruim”, “errado”, e “horrível” ou “pensar”, “razão” e “causa” – explicou Ryan Ritter, um dos responsáveis pelo estudo, de acordo com a CNN.

De acordo com Ritter e seus colegas, a escolha das palavras reflete algo sobre a mentalidade de uma pessoa. De acordo com os pesquisadores, um pensador analítico (ateu) é mais provável de ser cético ou crítico, por exemplo, enquanto um pensador intuitivo (cristão) é guiado pela emoção.

Eles afirmaram ainda que o pensamento analítico pode “diminuir a capacidade de otimismo e atitude positiva que tipificam uma boa saúde mental”.

- Se pudermos entender os fatores que facilitam a felicidade (por exemplo, o aumento do apoio social), o ideal é que possamos usar essas informações para aumentar o bem-estar de todos, crentes e não crentes, da mesma forma – afirmou Ritter.

Por Dan Martins, para o Gospel+

Fonte: http://noticias.gospelmais.com.br/

PREGACAO - Pr. Lucinho - Como Alcancar o Equilibrio Emocional


Pr. Lucinho - Como Alcancar o Equilbrio Emocional

Mensagem pregada pelo Pr. Lucinho no Culto Cristo Vivo na Lagoinha




domingo, 23 de junho de 2013

Pastora Sarah Sheeva afirma que beijos na boca durante o namoro causam crise no casamento


Pastora Sarah Sheeva afirma que beijos na boca durante o namoro causam crise no casamento

A pastora Sarah Sheeva afirmou recentemente através de sua página no Facebook que o contato físico durante o namoro, como beijos na boca, é motivadores para crises futuras no casamento. De acordo com Sheeva o correto é que os relacionamentos se iniciem pela amizade, e não com beijos.

- Você que é líder, pastor(a), conselheiro(a) em alguma igreja, experimente fazer uma pesquisa pessoal: pergunte aos casais que estiverem em crise o seguinte: “Como começou o relacionamento de vocês? Vocês beijavam na boca no início do relacionamento? Ou vocês começaram pela amizade?” – questionou a pastora em sua publicação na rede social.

Segundo Sarah Sheeva a resposta para o questionamento proposto por ela iria chocar os líderes e pastores, que perceberiam que “a maioria dos casais que hoje enfrentam problemas sérios de incompatibilidade, começaram o relacionamento pelo beijo e contato físico, e não pela amizade”.

- Se compararmos a quantidade de casais felizes que antes de casar (na fase do namoro) beijavam, e os que não beijavam, vamos perceber que a maioria dos que HOJE enfrentam problemas de incompatibilidade e falta de afinidade são os que BEIJAVAM muito no namoro. – ressalta Sarah Sheeva, que defende ainda que o beijo é só para as pessoas casadas.

Ela diz ainda que os solteiros devem aprender a “namorar em santidade”, afirmando que o namoro de verdade é apenas para os casados. Segundo a pastora, isso é importante para que os casais evitem se “abrasar”, afirmando que “os desejos sexuais sempre acabam levando a passar dos limites antes de casar, e isso não fará bem ao futuro do relacionamento”.

- Não namore antes de 18 anos, porque namoro de Crente não pode passar de 4 anos não (é meu conselho), se não (se passar de 4 anos) fica difícil suportar os desejos, e cai mesmo – finaliza a pastora, aconselhando seus leitores a “vigiarem”.

Por Dan Martins, para o Gospel+

Fonte: http://noticias.gospelmais.com.br/

PREGAÇÃO - Para os Casados e Solteiros - Pr. Lucinho - Culto Fé - Lagoinha


Para os Casados e Solteiros - Pr. Lucinho - Culto Fé - Lagoinha




PASTOR AÉCIO PINTO DUARTE - 4ª IGREJA BATISTA DE MACAÉ - ENCONTRO PARA CAPACITAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES - 20/06/2013


EU PARTICIPEI DESSE ENCONTRO, COM DIREITO A CERTIFICADO DE CONCLUSÃO E LANCHE APETITOSO. FOMOS ABENÇOADOS REVERENDO PASTOR AÉCIO PINTO DUARTE E TAMBÉM PELA VIDA DO REVERENDO GUILHERMINO CUNHA.







ESSE SOU EU NO ENCONTRO




A PARTIR DAQUI, AS FOTOS SÃO DO CULTO À NOITE CUJO TEMA "O COMPROMISSO DE NOSSA DEVOÇÃO COM DEUS" FOI TRATADO.










sábado, 22 de junho de 2013

Homem doa quase 400 litros de sangue como forma de agradecer a Deus por suas bençãos


Recentemente um norte-americano completou a incrível marca de 100 galões de sangue doados ao longo de 36 anos de doação, o equivalente a cerca de 380 litros. Harold Mendenhall doou seis galões de sangue todos os anos desde 1977, e no mês passado atingiu sua meta.

Mendenhall, de Riviera Beach, na Flórida, doou mais de 400 vezes para alcançar seu objetivo nobre e altruísta iniciado em 7 de julho de 1977. Hoje com 84 anos de idade, ele afirma ter começado a doar sangue como forma de agradecer a Deus pelas bênçãos que recebeu, sobretudo por sua saúde.

Mendenhall começou a doar sangue quando sua esposa, Frankie, foi diagnosticada com câncer de mama em 77. Após a morte de sua esposa, ele também perdeu dois de seus cinco filhos: de 47 e 53 anos de idade. Agora, ele diz que continua a doar como forma de homenagear a todos eles e celebrar a sua própria saúde.

Por alguma razão, eu ainda estou aqui e eu sou grato. Essa é uma das razões pelas quais eu mantenho a doação – disse à The Palm Beach Post.

Mendenhall é bem conhecido em um hemocentro em Lake Park, na Flórida, onde ele vai para doar com frequência. No entanto, ele não doa apenas sangue, o que exigiria uma espera de 56 dias entre as doações. Ele doa plaquetas, que são mais demoradas para extrair do sangue.

Doadores de plaquetas podem doar dois litros de sangue de cada vez. As plaquetas são extraídas num processo chamado aférese que leva cerca de duas horas e, em seguida, o fluido remanescente é transferido de volta para o dador. As plaquetas geralmente vão para pacientes com cânceres no sangue, como a leucemia.

Mendenhall afirma que é a sua maneira de dar a volta, quando lhe foi dado tanto.

- Dar sangue só pode ser feito por um ser humano, de modo que tem sido o meu retorno à minha trajetória e minha boa saúde, e todas as bênçãos que eu tive – disse ele ao The Post.

Por Dan Martins, para o Gospel+

Fonte:  http://noticias.gospelmais.com.br/

terça-feira, 18 de junho de 2013

Pastor Marcos Pereira aparece


Pastor Marcos Pereira aparece abatido e visivelmente mais magro para primeira audiência sobre acusações de estupro

O pastor Marcos Pereira concedeu depoimento à Justiça na tarde de ontem, 17 de junho, na primeira audiência do processo por estupro movido contra ele pelo Ministério Público.

A audiência aconteceu na 1ª Vara Criminal de São João de Meriti, na baixada fluminense. Em seu depoimento, o pastor negou ter estuprado as vítimas e acusou pessoas ligadas à ONG Afroreggae de orquestrarem as acusações contra ele.

Aparentando estar mais magro e abatido, Marcos Pereira teve um novo pedido de liberdade provisória negado pelo juiz. Aproximadamente 200 fiéis da Assembleia de Deus dos Últimos Dias (ADUD) compareceram ao local para acompanhar o depoimento e prestar apoio ao pastor.

As testemunhas de acusação disseram que se sentiam obrigadas a manter relações sexuais com o pastor porque o viam como um “homem de Deus”. De acordo com o G1, nenhuma das acusações foi comprovada pelos acusadores.

Em sua defesa, testemunharam a esposa do pastor, Ana Madureira Silva, e uma suposta vítima, que havia sido arrolada ao processo como acusadora, mas voltou atrás e se apresentou como testemunha de defesa.

Embora sua esposa e a segunda mulher tenham se retratado e retirado as acusações, uma resolução do Supremo Tribunal Federal (STF) impede que o processo seja anulado. O texto da súmula afirma ainda que “quando o estupro é cometido com violência real, a ação penal passa a ser incondicionada, ou seja, passa a ter como autor o Ministério Público, independentemente da vontade da vítima”.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Fonte: http://noticias.gospelmais.com.br/

Historiador critica o papa Francisco por aproximação com pobres


Historiador critica o papa Francisco por aproximação com pobres e diz que “Jesus vestia Armani”

A postura de adotar uma linha de menos ostentação durante seu pontificado colocou o papa Francisco no centro de uma polêmica na Itália, e gerou declarações no mínimo curiosas por parte de historiadores.

O escritor e historiador Vittorio Messori criticou a postura de Francisco ao dizer que a Igreja Católica não é pobre e nem deve se portar como tal, pois “Jesus não era um morto de fome”.

Na entrevista ao jornal Il Fatto Quotidiano, Messori fez analogias bastante polêmicas para explicar sua visão sobre o ministério de Jesus: “Ele vestia Armani, as suas vestes eram raras e luxuosas para a época. Ele tinha um tesoureiro que o traiu e, portanto, também um tesouro”, afirmou.

Um colega de Messori, o professor Roberto Rusconi, pondera sobre a questão: “Certamente, Jesus não era um pedinte e talvez José também não. O sentido da sua mensagem e da sua vida, não por acaso sintetizado por Francisco de Assis, está no não possuir, pois a posse gera poder”.

Rusconi vai mais a fundo ao dizer que o problema da Igreja Católica não está nas riquezas que possui, e sim, na forma como a utiliza: “De um certo ponto de vista, nunca existiu uma Igreja pobre, enquanto que a Igreja sempre teve – como instituição – o problema de como gerir os bens que possuía, que geravam riqueza e principalmente poder. Entre os seguidores de Francisco de Assis, que haviam partido com a rejeição de toda forma de propriedade e, portanto, de poder, e que depois foram se enchendo de esmolas e bens, abriu-se a discussão sobre a possibilidade de um usus pauper. Em outras palavras, pode ser extremamente anti-histórico usar a categoria de pobreza fora do contexto. O problema da Igreja consiste nos bens que geram a riqueza e não são utilizados para os pobres”, contextualizou.

O professor conclui seu raciocínio criticando as declarações de Messori: “[O papa] escolheu o nome de Francisco. A sua insistência sobre a pobreza e os pobres deve ser remetida a essa chave: quem são os pobres e que uso se pode fazer dos bens da Igreja para os que precisam. Se a Igreja de Roma deve se livrar das riquezas, isso não se faz em um dia. Se quisermos nos colocar no plano das piadas, é fácil demais. Na cruz, Jesus não estava vestido com Armani, e o sepulcro não havia sido projetado por Renzo Piano [arquiteto italiano renomado]”.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Fonte: http://noticias.gospelmais.com.br/

Cura Gay

Projeto de “Cura Gay” é aprovado na Comissão de Direitos Humanos em meio a discussão com Pastor Marco Feliciano


A Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) aprovou em votação na tarde desta terça-feira, 18 de junho, o projeto apelidado de “cura gay”. A apreciação do projeto foi adiada seguidas vezes nas últimas semanas, por questões técnicas e burocráticas da Câmara dos Deputados.

Numa sessão chefiada pelo pastor Marco Feliciano (PSC-SP), os parlamentares aprovaram a proposta elaborada pelo deputado João Campos (PSDB-GO), que prevê a derrubada da resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que proíbe os profissionais da área de atenderem homossexuais que busquem terapia para trocar de preferência sexual.

De acordo com o site da Folha de S. Paulo, houve bate boca entre Feliciano e o deputado Simplício Araújo (PPS-MA), que havia apresentado requerimento no início do mês pedindo a retirada do projeto da pauta.

Além de derrubar a resolução do CFP, o projeto prevê também a anulação da determinação de que “os psicólogos não se pronunciarão, nem participarão de pronunciamentos públicos, nos meios de comunicação de massa, de modo a reforçar os preconceitos sociais existentes em relação aos homossexuais como portadores de qualquer desordem psíquica”.

Como justificativa para anular esse segundo item, o autor do projeto diz que o CFP “extrapolou seu poder regulamentar” por “restringir o trabalho dos profissionais e o direito da pessoa de receber orientação profissional”.

Manifestantes que compareceram à sessão da CDHM protestaram com cartazes, que traziam frases como “Não há cura para quem não está doente”. Em trâmite na Câmara dos Deputados há dois anos, o projeto agora deverá ser analisado pela Comissão de Seguridade Social (CSS) e pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Fonte: http://noticias.gospelmais.com.br/

Comissão do Senado aprova projeto da Lei Geral das Religiões

Relator da matéria, o senador Eduardo Suplicy defendeu que fossem garantidos a todas as religiões os mesmos direitos concedidos à Igreja Católica

Foram necessárias oito emendas para que o projeto da Lei Geral das Religiões (PLC 160/09) fosse aprovado nesta quarta-feira na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado. O relator da matéria, senador Eduardo Suplicy (PT-SP), defendeu o texto que garante que os mesmos direitos historicamente concedidos à Igreja Católica sejam estendidos às demais religiões constituídas no país.

Há quase um mês, a comissão recebeu representantes de todas as religiões para discutir se o projeto cumpria a função de equiparar as condições para todos os credos. A proposta foi criticada pelos representantes que participaram do debate. De acordo com Suplicy, o atual projeto levou em conta as críticas e procurou contemplar as objeções apresentadas.

— Procurei levar em conta as diversas objeções que os representantes das diversas religiões tinham em relação ao projeto e procurei observar os preceitos constitucionais e garantir os direitos para todas as religiões — explicou Suplicy.

O senador retirou, por exemplo, o trecho do texto original que definia o ensino religioso como parte integrante da formação básica do cidadão. 

— O ensino religioso tem que ter matrícula facultativa e será uma disciplina dentro dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental — disse ele.

As mudanças também incluíram a garantia de assistência religiosa de qualquer credo nas instituições das Forças Armadas Brasileiras e de forças auxiliares e o atendimento espiritual em estabelecimentos como hospitais e prisões, sem a limitação de que apenas fiéis tenham esse direito. 

— Retirei a palavra 'fiéis' para que qualquer pessoa, mesmo sem crença, possa ter direito a essa assistência, se desejar — completou.

O projeto estabelece normas sobre várias situações do cotidiano dos brasileiros que envolvem a religião. Além da questão da educação, o texto também aborda pontos sobre casamento e imunidade tributária das entidades religiosas.

Ainda pelas alterações incluídas no texto original, fica definido que o patrimônio histórico e cultural de cada religião é parte do patrimônio do país e precisa ser cuidado pelas entidades representativas.

A aprovação do parecer foi unânime, mesmo com a observação feita pelo senador Paulo Paim (PT-RS). Ele lembrou que os convidados da audiência apontaram que o texto não tinha como ser 'salvo', mesmo com alterações. 

— Vou acompanhar o relator na certeza que o debate vai continuar nas outras comissões — disse ele.

Pelo trâmite normal, com a aprovação na CAS o projeto deveria seguir para a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e para a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Mas, como a matéria foi retirada do plenário a partir de um acordo de líderes, para que fosse avaliada com mais detalhes, a proposta volta direto ao plenário do Senado Federal.

AGÊNCIA BRASIL


Fonte: http://zerohora.clicrbs.com.br/

Admissão de escoteiros gays afasta grupos religiosos

Porta-voz de igreja pentecostal prevê desfiliação em massa nos Estados Unidos


A decisão de aceitar abertamente a participação de escoteiros homossexuais, tomada na semana passada pelo conselho americano dos 'boy scouts', pode provocar a desfiliação em massa de grupos religiosos, responsáveis por 70% do patrocínio à entidade. Algumas instituições mais conservadoras já comunicaram sua rejeição à medida.

“Nós acreditamos que a mudança da política dos escoteiros levará a um êxodo, já que muitas igrejas não podem apoiar uma organização que permite a entrada de homossexuais”, afirmou ao jornal The Washington Post Roger Oldham, porta-voz do comitê executivo da Convenção Batista do Sul, um grupo pentecostal que apoiava os escoteiros.

Com ou sem êxito, já existem várias alternativas religiosas ao oficial grupo de escoteiros, conhecido como BSA (Boy Scouts of America): os Desbravadores (adventista), os Embaixadores Reais (batista) e os Guardas Reais (das assembleias de Deus), entre outros. Somente o programa batista está presente em 3.000 igrejas nos Estados Unidos.

Decisão histórica - A medida tomada pelo conselho dos escoteiros foi aprovada com mais de 60% dos votos. Participaram da consulta, realizada no Texas, mais de 1.400 representantes do país inteiro.

A decisão é considerada histórica para uma organização símbolo do tradicionalismo americano. Mas não aplaca as divisões internas que marcaram anos de debate sobre o tema. Para os críticos, a medida tomada pelo conselho é uma "vitória vazia" dos militantes da causa gay, uma vez que foi mantida a proibição aos adultos homossexuais de servirem como líderes dos escoteiros.


Fonte:http://veja.abril.com.br/

terça-feira, 11 de junho de 2013

PREGAÇÃO - Geziel Gomes radiografia Espiritual da igreja Brasileira - Gideoes 2013


Geziel Gomes radiografia Espiritual da igreja Brasileira - Gideoes 2013




Maioria dos brasileiros é contra o casamento gay e considera a igreja a instituição mais confiável, revela pesquisa


Maioria dos brasileiros é contra o casamento gay e considera a igreja a instituição mais confiável, revela pesquisa

Uma pesquisa realizada com o objetivo de quantificar a opinião dos brasileiros diante de temas sociais e comportamentais que se encontram em discussão atualmente revelou que a maioria da população do país é contra o casamento gay. A pesquisa apontou ainda que a igreja é considerada a instituição mais confiável pela maioria da população do país.

O estudo foi realizado pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT) em parceria com a MDA Pesquisas, e mostrou que quase metade dos entrevistados (49,7%) se diz contra a união civil entre pessoas do mesmo sexo, em face a 38,9% que dizem ser favoráveis e 11,4% não souberam opinar ou não responderam.

Em relação ao casamento gay (e não apenas união civil), a rejeição entre a população é ainda maior, com 54,2% dos entrevistados se dizendo contrários. Nesse cenário, o número de favoráveis se reduz para 37,5% e o percentual de pessoas sem opinião formada a respeito cai para 8,3%.

Outro questionamento levantado aos entrevistados foi sua confiança nas principais instituições do país. Diante desse questionamento, a igreja foi considerada a instituição mais confiável entre os entrevistados (37,5%), seguida da Polícia Federal (13,8%) e do Supremo Tribunal Federal (8,2%). Já as instituições ligadas à política detêm os menores índices de confiança: o Senado tem a confiança de 0,7% dos entrevistados enquanto a Câmara dos Deputados possui 0,6%.

Segundo informações do Terra, a pesquisa CNT/MDA fez entrevistas com 2.010 pessoas entre os dias 1º e 5 de junho em 20 unidades da Federação, e a margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.

Por Dan Martins, para o Gospel+

Fonte:http://noticias.gospelmais.com.br/

sábado, 8 de junho de 2013

A Oração Toca A Eternidade


A estatura espiritual de um crente é determinada pelas suas
orações. O pastor ou crente que não ora está-se desviando. O
púlpito pode ser uma vitrine onde o pregador exibe seus talentos.
Mas no aposento da oração não temos como dar um jeito de
aparecer.

Embora a igreja seja pobre sob muitos aspectos, é mais pobre
ainda na questão da oração. Contamos com muitas pessoas que
sabem organizar, mas poucas dispostas a agonizar; muitas que
contribuem, mas poucas que oram; muitos pastores, mas pouco
fervor; muitos temores, mas poucas lágrimas; muitas que interferem, mas poucas que intercedem; muitas que escrevem, poucas que combatem. Se fracassarmos na oração, fracassaremos em todas as frentes de batalha.

Os dois requisitos para se ter uma vida cristã vitoriosa são visão e
fervor. Ambos nascem da oração e dela se nutrem. O ministério da
pregação é de poucos; o da oração — a mais importante de todas as
atividades humanas — está aberta a todos. Porém, as “criancinhas”
espirituais comentam sem o menor constrangimento: “Hoje, não vou à igreja. É dia de reunião de oração”.

É bem possível que Satanás não tema grande parte das pregações
de hoje. Mas a experiência do passado leva-o a arregimentar todo o
seu exército infernal para lutar contra o crente que ora. Os crentes de hoje não têm muito conhecimento da prática espiritual de “ligar e desligar”, embora essa responsabilidade nos tenha sido delegada por Deus: “O que (tu) ligares na terra..”. Você tem feito isso? Deus não desperdiça seu poder. Se quisermos ser poderosos na obra dele,
temos que ser poderosos com ele.

O mundo está marchando para o inferno a um ritmo tão rápido que,
se comparado aos modernos aviões supersônicos, estes pareceriam
tartarugas. E, no entanto, para vergonha nossa, nem recordamos
quando foi a última vez que passamos uma noite toda em oração a
Deus, suplicando-lhe que derrame sobre nós um avivamento que
abale o mundo. Não temos compaixão pelas almas. Estamos
pensando que os andaimes são o prédio. As pregações de hoje, com
sua falha interpretação das verdades bíblicas, nos levam a confundir
agitação com unção, e comoção com avivamento.
O segredo da oração é orar em secreto. Quem se entrega ao
pecado pára de orar. Mas aquele que ora pára de pecar. O fato é que somos pobres, mas não humildes de espírito.

A oração é profundamente simples, e ao mesmo tempo profunda.
“É uma forma de expressão tão simples que até uma criancinha pode exercitá-la”. Mas é igualmente tão sublime que ultrapassa os recursos da linguagem humana, e esgota seu vocabulário. Lançar diante de Deus uma torrente de palavras não irá necessariamente impressioná-Io ou comovê-lo. Uma das mais significativas orações do Velho Testamento foi feita por uma pessoa que não pronunciou palavras:
“Seus lábios se moviam, porém não se lhe ouvia voz nenhuma”. (1Sm 1.13). De fato ela não tinha grandes dons de oratória. Sem dúvida existem “gemidos inexprimíveis”.

Será que nos encontramos num padrão tão inferior ao dos cristãos
neotestamentários que não possuímos mais a fé dos nossos
antepassados (com todas as suas realizações e implicações), mas
somente a fé emocional de nossos contemporâneos? A oração é para o crente o que o capital é para um homem de negócios.
Não se pode negar que a maior preocupação da igreja hoje são as
finanças. E, no entanto, esse problema que tanto inquieta as igrejas
modernas era o que menos perturbava a do Novo Testamento. Hoje
damos mais ênfase à contribuição; eles a davam à oração.
Em nossos dias são muito poucos os que estão dispostos a
assumir a responsabilidade de orar inspirados pelo Espírito, e para
esse tipo de oração não há substitutos. Temos que orar, senão
pereceremos!

“A pior maldição que um povo pode sofrer é ter uma religião movida à base de mera emoção e sensacionalismo. A ausência de realidade espiritual já é trágica; mas o aumento da falsa espiritualidade é pecado mortal”.
S. Chadwick.

“Seria muito bom se nos libertássemos da idéia de que fé é uma questão de heroísmo espiritual, que apenas alguns cristãos seletos conseguem ter. Existem os heróis da fé, é verdade; mas a fé não é apenas para heróis. É uma questão de maturidade espiritual; é para adultos em Cristo”.
P. T. Forsyth.

“Sempre que Deus tenciona exercer misericórdia para com seu povo, a primeira coisa que faz é levá-lo a orar”.
Matthew Henry.

“A verdade sem entusiasmo, a moralidade sem emoção e o ritual vazio de realidade são coisas que Cristo condena severamente. Sem fervor espiritual, elas não passam de uma filosofia ímpia, um sistema ético ou de mera superstição”.
S. Chadwick.

“Portanto, o chamado da cruz é para que participemos da paixão de
Cristo. Precisamos trazer em nós as marcas dos cravos”.
Gordon Watt.

“Minha pobreza se encontra com tua riqueza. E assim, em ti, tenho tudo”.
Anônimo.

“Sede fervorosos no espírito; servindo ao Senhor”.
Apóstolo Paulo.


Fonte: Livro - Por que tarda o pleno avivamento ?
           Autor - Leonard Havenhil

Com Tudo Que Possuis, Adquire A Unção


Na igreja moderna, a reunião de oração é uma espécie de
Cinderela. Essa serva do Senhor é desprezada e desdenhada porque
não se adorna com as pérolas do intelectualismo, nem se veste com as sedas da Filosofia; nem se acha ataviada com o diadema da Psicologia. Mas se apresenta com a roupagem simples da sinceridade e da humildade, e por isso não tem receio de se ajoelhar.

O “mal” da oração é que ela não se acha necessariamente
associada a grandes façanhas mentais. (Não quero dizer, porém, que se confunda com preguiça mental). A oração só exige um requisito: a espiritualidade. Ninguém precisa ser espiritual para pregar, isto é, a preparação e pregação de um sermão perfeito segundo as regras da homilética e com exatidão exegética, não requer espiritualidade.

Qualquer um que possua boa memória, vasto conhecimento, forte
personalidade, vontade, autoconfiança e uma boa biblioteca pode
pregar em qualquer púlpito hoje em dia. E uma pregação dessas pode sensibilizar as pessoas; mas a oração move o coração de Deus. A pregação toca o que é temporal; a oração, o que é eterno. O púlpito pode ser uma vitrine onde expomos nossos talentos; o aposento da oração, pelo contrário, desestimula toda a vaidade pessoal.

A grande tragédia de nossos dias é que existem muitos pregadores
sem vida, no púlpito, entregando sermões sem vida, a ouvintes sem
vida. Que lástima! Tenho constatado um fato muito estranho que
ocorre até mesmo em igrejas fundamentalistas: a pregação sem
unção. E o que é unção? Não sei. Mas sei muito bem o que é não ter unção (ou pelo menos sei quando não estou ungido). Uma pregação sem unção mata a alma do ouvinte, em vez de vivificá-la. Se o pregador não estiver ungido, a Palavra não tem vida. Pregador, com tudo que possuis, adquire unção.

Irmão, nós poderíamos ter a metade da capacidade intelectual que
possuímos se fôssemos duas vezes mais espirituais. A pregação é
uma tarefa espiritual. Um sermão gerado na mente só atinge a mente de quem a ouve. Mas gerada no coração, chega ao coração. Um pregador espiritual, sob o poder de Deus, produz mentalidade
espiritual em seus ouvintes. A unção não é uma pombinha mansa
esvoaçando à janela da alma do pregador; não. Pelo contrário; temos que batalhar por ela e conquistá-la. Também não é algo que se aprenda; é bênção que se obtém pela oração. Ela é o prêmio que
Deus concede ao combatente da fé, que luta em oração, e consegue
a vitória. E não é com piadinhas e tiradas intelectuais que se chega à vitória no púlpito, não. Essa batalha é ganha ou perdida antes mesmo de o pregador pôr os pés lá. A unção é como dinamite. Não é recebida pela imposição de mãos, nem tampouco cria mofo se o
pregador for lançado numa prisão. Ela penetra e permeia a alma;
abranda-a e tempera-a. E se o martelo da lógica e o fogo do zelo
humano não conseguirem quebrar o coração de pedra, a unção o
fará.

Que febre de construção de templos estamos presenciando hoje.
No entanto, sem pregadores ungidos, o altar dessas igrejas não verá
pecadores rendidos a Cristo. Suponhamos que todos os dias diversos pescadores saiam para o alto-mar com seus barcos, levando o mais moderno equipamento que existe para o exercício desse ofício, mas retornem sempre sem apanhar um só peixe. Que desculpa poderiam dar para tal fracasso? No entanto é isso que acontece nas igrejas.

Milhares delas estão abrindo as portas dominicalmente, mas não
vêem conversão. Depois tentam encobrir sua esterilidade
interpretando textos bíblicos a seu bel-prazer. Mas a Bíblia diz:
“Assim será a palavra que sair da minha boca; não voltará para mim vazia...”

E o mais triste em tudo isso é que o fogo que devia haver nesses
altares encontra-se apagado ou arde em combustão muito lenta. A
reunião de oração está morrendo ou já morreu. Com a atitude que
temos em relação à oração, estamos dizendo ao Senhor que o que
ele começou no Espírito, nós terminaremos na carne. Qual é a igreja
que pergunta a um candidato ao ministério quanto tempo ele passa
diariamente em oração? A verdade é que o pregador que não passa
pelo menos duas horas por dia em oração, não vale um vintém, por
mais títulos que possua.

A igreja hoje se acha como que postada na calçada assistindo,
entre aflita e frustrada, à parada dos maus espíritos de Moscou, que
marcham pomposamente no meio da rua respirando ameaças contra
“tudo que é amável e de boa fama”. Além disso, no lugar da
regeneração, o diabo colocou a reencarnação; no lugar do Espírito
Santo, os espíritos-guias; no lugar do verdadeiro Cristo, o anticristo.
E o que a igreja tem para contrapor aos males do comunismo?
Onde está o poder espiritual? A impressão que se tem é que,
ultimamente, uma forte sonolência tomou o lugar da oposição
religiosa, nos púlpitos e também nas publicações evangélicas. Quem
hoje batalha “diligentemente pela fé que uma vez por todas foi
entregue aos santos”? Onde estão os combatentes divinamente
ungidos de nossos púlpitos? Os pregadores que deviam estar
“pescando homens”, parecem estar pescando mais é o elogio deles.

Os que costumavam espalhar a semente, agora estão colecionando
pérolas intelectuais. (Imagine só, semear pérolas num campo!)
Chega dessa pregação estéril, espiritualmente vazia, que é
ineficaz, porque foi gerada num túmulo e não num ventre, e se
desenvolveu numa alma sem oração, sem fogo espiritual! É possível
alguém pregar e ainda assim se perder; mas é impossível orar e
perecer. Se Deus nos chamou para o seu ministério, então, prezados
irmãos, insisto em que precisamos de unção. Com tudo que possuis,
adquire a unção, senão os altares vazios de nossas igrejas serão
exemplos vivos de nosso intelectualismo ressequido.

“Nossas orações precisam ser apoiadas numa energia que nunca
esmorece, numa persistência que não aceita não como resposta, e numa coragem que nunca se rende”.
E. M. Bounds.

“Vós, porém, amados, edificando-vos na vossa fé santíssima, orando no Espírito Santo”.
Judas20.

“Ah, se pudéssemos sentir-nos mais preocupados com o estado de
inanição em que se encontra hoje a causa de Cristo na terra, com os
avanços do inimigo em Sião e com a devastação que o diabo tem
efetuado nele. Mas infelizmente um espírito de indiferença vem
imobilizando muitos de nós”.
A. W. Pink.

“A oração era seu interesse máximo!”
O biógrafo de Edwin Payson.

“Tenho passado dias e até semanas prostrado ao chão, orando,
silenciosamente ou em voz alta”.
George Whitefield.

“Todo declínio espiritual começa com a negligência da oração. Nenhum coração pode desenvolver-se bem sem muita comunhão íntima com Deus; não existe nada que possa compensar a falta dela”.
Berridge.

“A impressão que tive foi que ele já havia subido para o céu, e se achava imerso em Deus. Muitas vezes, após terminar seu momento de oração, ele estava branco como a cal da parede”.
Comentário de um amigo de Tersteegen, após um contato com ele em Kronenberg.


Fonte: Livro - Por que tarda o pleno avivamento ?
            Autor - Leonard Havenhil

PALAVRAS SOBRE AVIVAMENTO NA HISTORIA DA IGREJA


“Por mais erudito que um homem seja, por mais perfeita que seja sua capacidade de expressão, mais ampla sua visão das coisas, mais
grandiosa sua eloqüência, mais simpática sua aparência, nada disso
toma o lugar do fervor espiritual. É pelo fogo que a oração sobe aos céus.
O fogo empresta asas à oração, dando-lhe acesso a Deus; comunica-lhe energias e torna-a aceitável diante do Senhor. Sem fogo não há incenso; sem fervor não há oração”.
E. M. Bounds.

“Pela fé e pela oração, fortaleça as mãos frouxas e firme os joelhos
vacilantes. Você ora e jejua? Importune o trono da graça e seja
persistente em oração. Só assim receberá a misericórdia de Deus”.
João Wesley.

“Antes de ocorrer o grande avivamento de Gallneukirchen, Martin Boos passava horas e horas, dias e dias, e até noites em oração, intercedendo sozinho, agonizando perante Deus. Mas quando ele pregava, sua palavra era como fogo, e o coração dos ouvintes, como capim seco”.
D. M. Mclntyre, D. D.

“Existem muitos crentes que não sabem orar, mas tentam cultivar a
“santa arte da intercessão” por meio de esforço pessoal e determinação, e freqüentando grupos de oração. Mas nada conseguem. Na verdade, o segredo de uma verdadeira vida de oração para esses, bem como para todos nos, é: “Enchei-vos do Espírito”, que é o mesmo "espírito de graça e de súplicas”.
Rev. J. Stuart Holden.

Fonte: Livro - Por que tarda o pleno avivamento ?
            Autor - Leonard Havenhil


Estudante desafia proibição do governo, ora o Pai Nosso durante formatura e é ovacionado pelos colegas


Estudante desafia proibição do governo, ora o Pai Nosso durante formatura e é ovacionado pelos colegas

Uma resolução que proíbe estudantes de orarem em ambientes escolares no Estado da Carolina do Sul, Estados Unidos, foi desafiada por um formando durante a cerimônia de colação de grau.

Ray Costner IV era o orador oficial de sua turma, e protestou contra a resolução ao inserir, no meio de seu discurso, a oração do Pai Nosso. A reação do público foi imediata, e os aplausos encobriram sua voz.

A formatura dos alunos do Ensino Médio aconteceu no último dia 01 de junho, e Ray explicou que seu discurso original tinha sido pré-aprovado pelo governo, mas ele não faria conforme o planejado.

“Eu estou tão feliz que meus pais me levaram para o Senhor durante a juventude”, disse o jovem, que complementou: “Eu acho que a maioria de vocês vai entender quando eu digo: ‘Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o Teu nome. Venha o Teu reino. Seja feita a Tua vontade, assim na Terra como no céu. Dá-nos hoje o nosso pão de cada dia e perdoa-nos por nossas ofensas, assim como nós perdoamos aqueles que nos tem ofendido. Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal. Porque Teu é o reino, o poder e a glória para sempre e sempre. Amém”.

O apoio ao aluno por parte do público desencorajou qualquer tipo de represália por parte dos mestres de cerimônia, que assistiram à corajosa atitude do rapaz impassíveis.

Segundo informações do WND, a resolução do governo proibindo orações em escolas e cerimônias públicas ligadas ao Estado se deu devido a pressões de ativistas ateus. O porta-voz do distrito escolar de Pickens, John Eby, disse que “houveram reclamações da entidade Freedom From Religion Foundation a respeito da existência de manifestações religiosas em reuniões do conselho e algumas outras questões também”.

Perante essa situação, todas as escolas receberam a resolução proibindo orações, permitindo apenas um momento de silêncio para os alunos.

A opção por desafiar as ameaças dos ativistas ateus rendeu diversos elogios nas redes sociais. O porta-voz John Eby afirmou que, como Ray Costner IV agora está formado não há nada que se possa fazer contra ele: “Não vamos punir os estudantes por expressarem suas crenças religiosas. Ele é um graduado agora. Não há nada que possamos fazer sobre isso, mesmo se quiséssemos”.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Fonte: http://noticias.gospelmais.com.br/

Vereadora evangélica critica casamento gay e diz que esposas devem ser submissas aos maridos: “O homem está sim acima da mulher”


Vereadora evangélica critica casamento gay e diz que esposas devem ser submissas aos maridos: “O homem está sim acima da mulher”

A resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que obriga os cartórios civis de todo o Brasil a registrarem o casamento gay continua rendendo polêmica país afora. A divergência quanto à legitimidade do órgão para definir temas como esse e o teor da decisão continua acirrando ânimos.

A vereadora do Recife, Michelle Collins (PP) criticou a resolução do CNJ durante discurso na Câmara Municipal da capital pernambucana. “Defendo os princípios bíblicos e da civilização humana, porque desde que o Mundo é Mundo que o homem só pode procriar com mulher, e mulher com homem”, afirmou.

Michelle Collins é evangélica e uma de suas bandeiras é a defesa dos “valores da família tradicional”. Desde a resolução emitida pelo CNJ, Michelle tem se posicionado contra o “novo modelo de união”, e busca apoio entre os colegas para aprovar uma moção de repúdio ao colegiado presidido pelo ministro Joaquim Barbosa.

“O casamento homossexual valida e promove o estilo de vida homossexual”, protestou a vereadora, que entende que “a família corre perigo” com os rumos que a sociedade brasileira vem tomando: “Aqueles que adotarem crianças vão mostrá-las um conceito de educação diferente, com referências, comportamento e valores diferentes. Enfim, a criança é produto do meio. Homem com homem e mulher com mulher não é família. É uma invenção que fizeram agora e querem que a gente estimule, aceite, ache bonito. É muita modernidade. Eu prefiro ser chamada de medieval e garantir os ‘bons costumes’ e o progresso da família”.

A postura da vereadora não é unânime, segundo informações do Blog do Jamildo, no portal NE10. O vereador Jayme Asfora (PMDB) retrucou as afirmações de Michelle dizendo que é importante que todos os brasileiros sejam iguais perante a lei: “O STF disse, com todas as letras, que não há diferença jurídica entre as famílias formadas por um homem e uma mulher e as famílias formadas por dois homens ou duas mulheres. Elas já existem de fato. Agora, todas devem estar sob a proteção do Estado. A Resolução é moderna e boa para sociedade”, defendeu o vereador.

Outro que criticou a postura da vereadora foi Henrique Leite, que citou como exemplo de progresso, as conquistas femininas: “A mulher não podia subir à tribuna para discursar, nem se eleger, nem votar. Mas, a partir da luta delas, hoje tudo isso é possível”, disse.

Leite ainda afirmou que essas conquistas permitiram que Michele tivesse voz para “defender seus princípios religiosos na tribuna”, e completou: “O conceito de família mudou. A história já está desenhada”.

A reação da vereadora foi enfática: “O fato de uma mulher estar aqui na tribuna não muda o fato de ela ser submissa ao marido. Também está errada a mulher que, após conquistar seu direito e seu espaço, ela deixa de ser submissa ao homem. O homem está sim acima da mulher”, disse Michelle Collins.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Fonte: http://noticias.gospelmais.com.br/

Pastor Silas Malafaia afirma que o Estadão publicou mentiras sobre suas declarações a respeito do casamento gay


Pastor Silas Malafaia afirma que o Estadão publicou mentiras sobre suas declarações a respeito do casamento gay

O pastor Silas Malafaia deu declarações afirmando que o jornal Estadão publicou uma notícia mentirosa a respeito dele e de supostos comentários que ele teria feito sobre o casamento gay durante a manifestação que organizou em Brasília em defesa da família tradicional

De acordo com o líder da igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo é mentirosa a feita pela publicação afirmando que “em ato contra gays, Silas Malafaia diz que união homoafetiva é crime”. O líder religioso afirma que não disse isso em nenhum momento, mas que, o invés disso, afirmou que não aceitava que a sua opinião fosse criminalizada, referindo-se ao PL 122, que visa criminalizar a homofobia.

- Estadão publica que eu disse q a união homoafetiva é crime. MENTIRA! – afirmou o pastor em seu Twitter, apontando também que o Estado de Minas teria publicado notícia com título tendencioso a respeito dele.

- Nós não queremos cercear imprensa, não. Agora, eu fico vendo esses esquerdopatas, que querem o controle da mídia para controlar o conteúdo… Eles estão pensando que o Brasil é Nicarágua, Venezuela, Bolívia, Equador e Argentina. Aqui, não! Imprensa livre, sempre livre! – escreveu o pastor.

Pedindo por uma impressa livre, o pastor disse também que ele pode criticar o que quiser, pois está garantido na Constituição, em seu direito de liberdade de expressão.

- Senhores da imprensa, nós, que somos chamados de fundamentalistas, queremos uma imprensa livre até para falar mal de nós – completou.

- Os esquerdopatas (…) querem um marco regulatório para controlar a imprensa e controlar o estado e a sociedade. Querem botar a mão na nossa voz. Ninguém vai calar a nossa voz. Para calar a nossa voz vai ter que rasgar a Constituição do Brasil – concluiu.

O colunista da Veja Reinaldo Azevedo também criticou a postura da imprensa diante da manifestação organizada por Malafaia. De acordo com Azevedo, a imprensa pouco abordou sobre o assunto, mesmo o evento tendo reunido cerca de 70 mil pessoas.

Por Dan Martins, para o Gospel+

Fonte: http://noticias.gospelmais.com.br/

Papa Francisco afirma que “não queria ser papa”, e fala de sua renúncia aos luxos do Vaticano


Papa Francisco afirma que “não queria ser papa”, e fala de sua renúncia aos luxos do Vaticano

O papa Francisco deu uma declaração nessa sexta-feira afirmando que não queria se tornar pontífice e que havia decidido não mudar para os apartamentos papais de luxo para preservar a sua saúde mental.

A afirmação foi feita durante uma reunião com milhares de crianças de escolas jesuítas em toda a Itália e Albânia. O papa realizou uma sessão de perguntas e respostas na qual uma menina, Teresa, lhe perguntou se ele queria se tornar o líder de 1,2 bilhão de católicos do mundo.

- Uma pessoa que quer ser papa não gosta realmente de si mesma. Eu não queria ser papa – disse o líder católico, segundo o Charisma News.

Outra menina, Caterina, perguntou por que ele havia se recusado a morar nos apartamentos papais suntuosos, escolhendo, em vez disso, escolher um hotel simples como sua residência no Vaticano.

- Não é apenas uma questão de riquezas, mas também uma questão de personalidade. Eu preciso viver rodeado de pessoas, e se eu morasse sozinho, isolado, não me faria bem – disse ele, acrescentando ainda que tinha tomado tal decisão por “razões psiquiátricas”.

O ex-cardeal argentino Jorge Bergoglio, que estabeleceu um tom humilde para o papado desde a sua elevação ao cargo em março, também disse que é importante levar uma vida mais simples, dada a extensão da pobreza e do sofrimento no mundo.

- Todos nós temos que pensar em como podemos nos tornar um pouco mais pobres – afirmou o papa, dizendo ainda: – O mundo inteiro está em crise, principalmente uma crise de valores. Hoje em dia a pessoa em si não conta, o que conta é o dinheiro.

- É preciso se libertar das estruturas econômicas e sociais que nos transformam em escravos – completou Francisco, que falou também sobre a participação dos cristãos na vida política da sociedade.

- É uma obrigação, porque não podemos fazer como Pilatos e lavar as mãos, mas sei que não é fácil porque o mundo da política é muito sujo – concluiu.

Por Dan Martins, para o Gospel+

Fonte: http://noticias.gospelmais.com.br/

PREGAÇÃO - Lucinho Barreto - Aprendendo com a Vida de Ana


Lucinho Barreto - Aprendendo com a Vida de Ana




domingo, 2 de junho de 2013

Pesquisa aponta que grande parte dos brasileiros não aceitaria um filho homossexual


A homossexualidade é um dos temas mais discutidos recentemente entre diversos setores da sociedade brasileira. Envolvendo polêmicas com pastores evangélicos, parlamentares e outros líderes de diversos segmentos, o tema tomou grandes proporções depois que uma decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) determinou a obrigatoriedade de todos os cartórios registrarem casamentos e uniões estáveis homossexuais sem que haja necessidade de uma determinação judicial.

Esse quadro motivou uma pesquisa conduzida pelo Instituto Data Popula, que apontou que 37% dos brasileiros não aceitariam ter um filho ou filha homossexual, e que ainda 38% afirmam ser contrários a casais do mesmo sexo terem os mesmos direitos de “casais tradicionais”.

Baseada em questionários respondidos por 1.264 pessoas em todas as regiões brasileiras, no primeiro trimestre de 2013, a pesquisa buscou mapear a opinião dos brasileiros a respeitos de assuntos relacionados à homossexualidade e ao acesso a direitos civis por casais de mesmo sexo no país.

De acordo com o Instituto Data Popular, a primeira pergunta apresentada às pessoas ouvidas pelo estudo era se o mesmo concordava ou não com a frase “Não aceitaria ter um filho ou uma filha homossexual”. 37% responderam que concordavam com a afirmativa. O número foi ainda maior entre os homens com taxa de 45%, contra as mulheres, entre as quais a rejeição a filhos homossexuais caiu para 35%.

Segundo o G1, o sócio diretor do Instituto Data Popular, Renato Meirelles, analisou os resultados afirmando que “os números reforçam que o preconceito da sociedade para com os homossexuais existe, tanto dentro de casa, quanto fora dela”.

Parada gay em São Paulo

A parada gay que acontece da cidade de São Paulo, e terá como tema “Para o Armário Nunca Mais, União e Conscientização”, terá como uma de suas principais bandeiras os protestos contra o deputado pastor Marco Feliciano.

- Não é só contra o Feliciano, é contra todos aqueles ‘infelicianos’ que insistem em julgar os direitos dos outros em detrimento da sua heterossexualidade – afirmou o diretor da Associação da Parada do Orgulho GLBT (APOGLBT), Nelson Matias.

Nesse ano, a Prefeitura de São Paulo investirá R$ 1,6 milhão na logística e infraestrutura da Parada do Orgulho LGBT.

Por Dan Martins para o Gospel+

Fonte: http://noticias.gospelmais.com.br/